Sabemos que os impactos da pandemia do novo coronavírus estão exigindo mudanças de vários setores. Os trabalhos já não são mais ou mesmos, pois a tendência do home-office se tornou uma prática mais segura e eficiente para diversas empresas. Na área da educação, a mesma coisa aconteceu. Com a pandemia, houve uma reinvenção do ensino, alunos e professores estão se adaptando às aulas on-line.

Algo que favorece bastante são as diversas possibilidades de acesso para realizações de cursos e aulas. Os ambientes virtuais são as novas salas. Apesar dos desafios, essa mudança veio para ficar e estimular o uso de ferramentas tecnológicas que facilitam e ajudam a vida do estudante e dos mentores.

Neste artigo, pontuamos algumas situações importantes a ser discutidas nesse novo cenário, no qual está sendo necessário a reinvenção e adaptação do ensino.  

Benefícios e desafios do ensino a distância 

Distanciamento, essa é a palavra mais comum de 2020. Todas as atividades consideradas com excesso de pessoas e possíveis aglomerações foram suspensas devido à pandemia, principalmente escolas e universidades que estão fechadas desde o final de março. No início foi tudo muito incerto, ninguém saberia ao certo quanto tempo ficaríamos em casa. Mas a grande maioria das universidades e escolas particulares já se adaptaram em suas plataformas on-line. 

Geralmente, as instituições privadas já possuem uma própria plataforma on-line, principalmente porque algumas faculdades já ofereciam o ensino à distância em sua grade, algumas de forma parcial. Ainda que diversos alunos não tinham passado por essa experiência, foi um novo desafio para professores e estudantes que logo começaram suas aulas on-line. 

Universidades e escolas públicas possuem mais dificuldade para se adequar. A grande maioria não tem experiência com as plataformas virtuais. Escolas estaduais começaram a montar apostilas e videoaulas já prontas para dar suporte aos alunos. Elas complementam as aulas virtuais. 

E as universidades públicas, após se organizarem, começaram a utilizar plataformas como Google Meet e Microsoft Teams, ainda que essas plataformas se mostrem incompletas, para dar início ao ensino remoto, como muitas definiram. 

As escolas mais avançadas adotaram plataformas próprias para Ensino à Distância (EAD)

Desafio para professores e alunos, mas necessário em um período arriscado para aglomerações. Através de sites e plataformas de streaming e ou ensino, as aulas on-line estão proporcionando novas experiências de aprendizado e ensino, de fato, fazendo parte dessa reinvenção. 

Apps para EAD

Outro recurso usado na nova educação são os aplicativos para EAD. As plataformas mais completas de ensino oferecem o recurso, inclusive. Há casas em que não há um computador, mas tem-se acesso ao celular. Isso mostra a importância de uma plataforma EAD completa.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 97% dos brasileiros acessam a rede mundial de computadores pelo celular. O acesso mobile é o que mais cresce. 

Assim, as aulas on-line ficam mais democráticas, além de se adequarem aos hábitos das pessoas. 

Quem empreende no setor de educação também deve se preocupar com ter uma plataforma compatível com as smart TVs. De acordo com o IBGE, 835 mil lares deixaram de se conectar à internet pelo computador, 16,3% já assistem conteúdos on-line pela TV. Em algumas aulas, pode ser mais interessante projetá-la na televisão. 

O uso de aplicativos ainda é compatível com a tendência de mobile learning (aprendizado por dispositivos móveis) e micro learning (conteúdo distribuído de forma mais rápida, em formato de pílulas). 

Futuro da educação: o que deve permanecer

Apesar de várias mudanças e a grande espera pelo “voltar ao normal”, o ensino a distância promete permanecer, principalmente se adequando ao modelo da Educação 4.0. A previsão é que instituições de ensino continuem garantindo um modelo virtual agora que as práticas tecnológicas estão invadindo o cotidiano. 

Mesmo que ainda existam desafios dentro desse modelo de ensino, como por exemplo, a dificuldade que muitas pessoas ainda encontram ao se adequar a essa modernidade, é preciso se tornar ainda mais democrático e acessível, já que ele promete permanecer mesmo após a pandemia. 

Mas se tratando de uma modalidade que investe em qualidade e garante o aprendizado eficaz de seus estudantes, essa tendência pode se tornar revolucionária para o mundo da educação.

O que dizem especialistas 

O processo de reinvenção do ensino também é algo para ser pensado no pós-pandemia. Afinal, a tarefa de construir novos rumos para o futuro do ensino à distância será mais um desafio para educadores, de forma geral

Uma pesquisa feita com especialistas, através do site Desafios da Educação, colheu opiniões de especialistas sobre como a pandemia chegou para trazer uma reinvenção no ensino e o quanto isso poderá mudar no futuro da educação. 

Cláudio de Moura Castro, economista e colunista da Revista Veja, afirmou ao site: 

“A crise está provocando um terremoto no P&D de tecnologias de educação a distância. A variedade de recursos será maior e muitas ideias que estavam amadurecendo vão entrar em cena. Talvez o exemplo mais dramático seja a inteligência artificial, pois ela vai permitir fazer em grande escala o que o EAD já faz em uma escala menor, que é a personalização do ensino”. 

Em relação ao papel do aluno e professor, o cientista social e membro da Acadêmia Brasileira de Ciências, Simon Schwartzman, disse ao site: 

“Para o EAD ser tão bom ou até melhor do que o presencial, o professor precisa ter apoio institucional, conteúdo de qualidade e boas tecnologias. O fundamental é haver investimento nesses pontos. Os alunos vão ter que aprender novas formas de trabalho, mas não vislumbro problemas de adaptação. Se você oferecer um bom material, boas oportunidades, eles vão se adaptar a isso mais do que os professores”. 

Ou seja, é necessário um bom treinamento e adequação, para que alunos e professores estejam preparados para as mudanças que prometem chegar ao futuro, visando que, é possível usar e continuar usando as diversas ferramentas tecnológicas existentes para se adaptar à reinvenção do ensino. 

Por isso, optar por plataformas de EAD intuitivas e que oferecem suporte contínuo é fundamental. Construir um ambiente de aprendizado do zero é possível, mas dificulta o processo, pois serão necessários muitos testes e ajustes até que tudo esteja 100%. Aderir a uma plataforma EAD que está a algum tempo no mercado é o ideal. 

As que são boas, oferecem suporte nos sete dias da semana, além de melhorarem continuamente o sistema, pois a razão de existir delas é a plataforma EAD. Elas também focam em usabilidade para o tutor e experiência do cliente.

Boa adaptação a essas novas formas de educar e compartilhar conhecimento!

Leave a comment